Início / ARTIGOS / Comentários Sobre o Ministério Sacerdotal de cristo no Santuário Celestial

Comentários Sobre o Ministério Sacerdotal de cristo no Santuário Celestial

Por Ellen G. White

  1. Aplica os benefícios de um sacrifício expiatório completo

Estes são nossos temas: Cristo crucificado por nossos pecados, Cristo ressuscitado dos mortos, Cristo nosso intercessor ante Deus; e estreitamente relacionada com estes assuntos se acha a obra do Espírito Santo (Evangelismo, p. 140).

O grande Sacrifício tinha sido oferecido e aceitado, e o Espírito Santo que desceu no dia de Pentecostes dirigiu o atendimento dos discípulos desde o santuário terreal ao celestial, onde Jesus tinha entrado 475 com seu próprio sangue, para derramar sobre seus discípulos os benefícios de sua expiação (Primeiros escritos, pp. 259, 260).

Nosso Salvador está no santuário intercedendo em favor de nós. É nosso Sumo Sacerdote intercessor, que faz um sacrifício expiatório por nós, ao apresentar em favor de nós a eficácia de seu sangue (Fundamentos da educação cristã, p. 370).

Todos os que rompam com a escravatura e o serviço de Satanás, e estejam dispostos a permanecer sob o estandarte manchado de sangue do Príncipe Emanuel, serão protegidos pela intercessão de Cristo. O, nosso Mediador, sentado à destra do Pai, sempre nos tem ao alcance de sua vista, porque é tão necessário que nos proteja mediante sua intercessão como que nos isente mediante seu sangue. Se nos soltasse por um só instante, Satanás estaria ali pronto para destruir-nos. Aos que adquiriu por seu sangue, protege-os mediante sua intercessão (Manuscrito 73,1893).

Obrigado a Deus que quem derramou seu sangue por nós vive para rogar em nosso favor, para fazer intercessão por cada alma que o recebe. . . Sempre deveríamos recordar a eficácia do sangue de Jesus. O sangue purificador e sustentador da vida, aceitada mediante fé vivente, é nossa esperança. Nosso apreço por seu inestimável valor devesse crescer, porque fala em favor nosso só quando clamamos por fé sua virtude, se temos a consciência limpa e estamos em paz com Deus.

Se a representa como o sangue perdoador, inseparavelmente relacionada com a ressurreição e a vida de nosso Redentor, ilustrada pela corrente ininterrupta que procede do trono de Deus, o água do rio da vida (Filhos e filhas de Deus, p. 228).

Cristo morreu para fazer um sacrifício expiatório por nossos pecados. Como nosso Sumo Sacerdote intercede por nós à destra do Pai. Mediante o sacrifício de sua vida conseguiu redenção para nós. Sua expiação é efetiva para todos os que estejam dispostos a humilhar-se, e recebem a Cristo como seu exemplo em todo. Se o Salvador não tivesse dado sua vida em propiciação por nossos pecados, toda a família humana teria perecido; não teria tido direito ao céu. Por meio de sua intercessão nós, pela fé, o arrependimento e a conversão, podemos chegar a ser participantes da natureza divina, tendo fugido da corrupção que há no mundo por causa da concupiscência (Manuscrito 29, 1906).

Esta oração [a de Juan 17] é uma lição a respeito da intercessão que o Salvador levaria a cabo dentro do véu, quando se tivesse completado seu grande sacrifício em favor dos homens: a oferenda de si mesmo. Nosso 476.

Mediador deu a seus discípulos esta ilustração de seu ministério no santuário celestial em favor de todos os que vingam a ele com manso e humildade, despojados de todo egoísmo e acreditando em o poder de Cristo para salvar (Comentário bíblico adventista, t. 5, p. 1119).

  1. A intercessão aplica e completa a transação efetuada na cruz

A intercessão de Cristo pelo homem no santuário celestial é tão essencial para o plano da salvação como o foi sua morte na cruz. Com sua morte deu princípio àquela obra para cuja conclusão ascendeu ao céu depois de sua ressurreição. Pela fé devemos entrar véu adentro, “onde entrou por nós como precursor Jesus” (Heb. 6: 20). Ali se reflete a luz da cruz do Calvário; e ali podemos obter um entendimento mais claro dos mistérios da redenção (O conflito dos séculos, p. 543).

As palavras de Cristo na ladeira da montanha eram o anúncio de que seu sacrifício em favor dos homens era total e completo. As condições da expiação se tinham cumprido; tinha-se levado a cabo a obra para a qual tinha vindo a este mundo. Tinha conseguido o reino. Se o tinha arrebatado a Satanás e agora era o herdeiro de todo. Estava em caminho para o trono de Deus, para ser honrado pelos anjos, os principados e as potestades. Tinha iniciado sua obra de mediação. Revestido de autoridade ilimitada, deu-lhe sua comissão aos discípulos: “Portanto, ide, e fazei discípulos a todas as nações, batizando-os no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-lhes que guardem todas as coisas que vos mandei; e tenho aqui eu estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Manuscrito 138, 1897).

Obrigado a Deus que quem derramou seu sangue por nós vive para rogar em nosso favor, para fazer intercessão por cada alma que o recebe. “Se confessamos nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar nossos pecados, e limpar-nos de toda maldade”. O sangue de Jesus Cristo nos limpa de todo pecado. Diz melhores coisas que o sangue de Abel, porque Cristo vive sempre para interceder por nós. Sempre devemos ter presente a eficácia do sangue de Jesus (Filhos e filhas de Deus, p. 228).

Jesus está de pé ante o Pai, oferecendo continuamente um sacrifício pelos pecados do mundo. É o ministro do verdadeiro tabernáculo, que Deus levantou e não o homem. As oferendas típicas do tabernáculo judeu já não possuem nenhuma virtude. Já não se precisa uma expiação diária nem anual. Mas em vista de que se estão cometendo pecados permanentemente, 477 é essencial o sacrifício expiatório do Mediador celestial. Jesus, nosso grande Sumo Sacerdote, oficia por nós na presença de Deus, e oferece em favor de nós seu sangue derramado (The Youth”s Instrutor, 16 de abril de 1903).

Obrigado a sua vida imaculada, sua obediência e sua morte na cruz do Calvário, Cristo intercedeu pela raça perdida. E agora, o Capitão de nossa salvação não intercede por nós como um mero suplicante, senão como um vencedor que reclama sua vitória. Sua oferenda é uma oferenda completa, e enquanto nosso Intercessor leva a cabo a tarefa que se impôs, sustenta ante Deus o incensário que contém seus próprios méritos imaculados e as orações, confissões e ações de graça de seu povo. Perfumadas com a fragrância de sua justiça, ascendem a Deus em cheiro suave. A oferenda é plenamente aceitável, e o perdão cobre toda transgressão. Para o verdadeiro crente Cristo é certamente o ministro do santuário, que oficia por ele ali, e que fala por meio dos instrumentos assinalados por Deus (The Signs of the Times, 14 de fevereiro de 1900).

Nos átrios celestiais Cristo intercede por sua igreja, por aqueles em cujo favor pagou o preço da redenção com seu sangue. Nos séculos e as idades não poderão diminuir a eficácia de seu sacrifício expiatório. Nem a vida nem a morte, nem o alto nem o baixo, podem separamos do amor de Deus que é em Cristo Jesus; não porque nós estejamos tão firmemente asidos dele, senão porque ele nos sustenta fortemente (Os Atos dos apóstolos, p. 456).

Jesus é nosso grande Sumo Sacerdote nos céus. E daí está fazendo? Esta efetuando uma obra de intercessão e expiação em favor de seus filhos que acreditam em ele (Depoimentos para os ministros, p. 37).

Acercamo-nos a Deus através de Jesus Cristo, o Mediador, a única maneira por cujo meio se consegue o perdão dos pecados. Deus não pode perdoar os pecados a costa de sua justiça, sua santidade e sua verdade. Mas perdoa os pecados e o faz plenamente. Não há pecados que não queira perdoar no Senhor Jesus Cristo e por meio dele. Esta é a única esperança do pecador, e se descansa em isto com fé sincera, pode estar seguro cai que será plena e amplamente perdoado. Há um só canal que é acessível a todos, e por meio dele se encontra ao alcance do alma penitente e contrita um perdão rico e abundante, e até para os pecados mais tenebrosos.

Estas lições se as ensinaram ao povo elegido de Deus faz milhares de anos; se as repetiu mediante símbolos e figuras para que a obra desta verdade se pudesse recalcar em cada coração: Sem derramamento de sangue não há remessa de pecados (Carta 12,1892). Cristo morreu por nós, e ao receber sua perfeição, temos direito ao céu. Dá-lhes a faculdade de chegar a ser filhos de Deus a todos os que acreditam em ele. Bem como o vive, nós também viveremos. É nosso Advogado ante o tribunal do alto. Esta é nossa única esperança (Manuscrito 29, 1906).

Ao oferecer sua própria vida, Cristo se fez responsável de todo homem e toda mulher da terra. Está de pé na presença de Deus e diz: “Pai, eu assumo a culpa desta alma. Morrerá se a deixo carregar com ela. Se arrepende, será perdoada. Meu sangue a limpará de todo pecado. “Eu dei minha vida pelos pecados do mundo”.

Se o transgressor da lei de Deus está disposto a ver em Cristo seu sacrifício expiatório, se acredita em o que é capaz de limpar de toda injustiça, Cristo não terá morrido em vão para ele (The Review and Herald, 27 de fevereiro de 1900).

“Pelo qual devia ser em todo semelhante a seus irmãos, para vir ser misericordioso e fiel sumo sacerdote no que a Deus se refere [notem-se as palavras], para expiar os pecados do povo”. O pecador arrependido deve crer que Cristo é seu Salvador pessoal, É sua única esperança. Pode recorrer ao sangue de Cristo para apresentar a Deus, como próprios, os méritos do Salvador crucificado e ressuscitado. Desse modo, mediante a oferenda de si mesmo feita por Cristo, o inocente em lugar do culpado, removem-se todos os obstáculos e o amor perdoador de Deus pode fluir em ricos raudales de misericórdia em favor do homem caído (Em Cada dia com Deus, p. 36).

Quando reconhecemos adiante de Deus que apreciamos os méritos de Cristo, se lhe adiciona fragrância a nossas intercessões. ¡Oh, quem pode valorizar esta grande misericórdia e este grande amor! Quando nos acercamos a Deus por meio da virtude dos méritos de Cristo, somos cobertos com suas vestimentas sacerdotais. Localiza-nos muito perto, a seu lado; rodeia-nos com seu braço humano, e ao mesmo tempo se aferra do trono do Infinito com seu braço divino. Põe seus méritos, como suave incenso, num incensário que coloca em suas mãos, para animá-los a elevar suas petições. Promete-lhes escutar e contestar suas súplicas (Carta 22, 1898).

Hoje ele [Cristo] está fazendo expiação por nós ante o Pai. “Se algum tiver pecado, advogado temos para com o Pai, a Jesus Cristo o justo”. Ao assinalar as palmas de suas mãos perfuradas pela loucura e o preconceito dos homens impíos, diz-nos: “Nas palmas das mãos te tenho esculpida” (Isa. 49: 16). O Pai se inclina em sinal de que aceita o preço pago pela humanidade, e os anjos se aproximam com reverência à cruz do Calvário. ¡Que sacrifício é este! ¡Quem poderá penetrar em ele! Ao homem lhe tomará toda a eternidade entender o plano de redenção. Se lhe revelará linha sobre linha, um pouquinho aqui e 479 um pouquinho lá (Manuscrito 21, 1895).

 

III. O ministério de Cristo no santuário celestial

Estamos no grande dia da expiação, e a sagrada obra de Cristo em favor do povo de Deus que se está levando a cabo agora [1882] no santuário celestial, deveria ser motivo de nosso constante estudo (Testimonies, t. 5, p. 520).

¡Oh, se todos pudessem considerar a nosso precioso Salvador segundo o que é: um Salvador! Permitamos que sua mão tire o véu que oculta sua glória de nossa vista. Mostra-o num lugar elevado e santo. Que vemos? A nosso Salvador, não num ambiente silencioso e inativo. Está rodeado de inteligências celestiais: querubins e serafins, e anjos por dezenas e mais dezenas de milhares. Todos estes seres celestiais têm um propósito que está acima de todos os demais, no qual têm um profundo interesse: a igreja no meio de um mundo corrompido (Carta 89 c, 1897).

O está em seu lugar santo, não num ambiente solitário e grandioso, senão rodeado de dezenas e mais dezenas de milhares de seres celestiais, que aguardam as ordens do Maestro. E ele lhes manda que vão trabalhar em favor do santo mais débil que põe sua confiança em Deus. Provê-se o mesmo auxílio tanto para o encumbrado como para o humilde, tanto para o rico como para o pobre (Carta 134, 1899).

Não coloqueis vossa influência contra os mandamentos de Deus. Essa lei é tal como Jeová a escreveu no templo do céu. O homem pode hollar sua cópia terreal, mas o original se conserva no arca de Deus no céu; e sobre a coberta dessa arca, precisamente em cima dessa lei, está o propiciatório. Jesus está ali mesmo, adiante dessa arca, para mediar pelo homem (Comentário bíblico adventista, t. 1, p. 1123).

Todos devemos ter presente o tema do santuário. Não permita Deus que o cúmulo de palavras que procede dos lábios humanos diminua a fé de nosso povo na verdade de que há um santuário no céu, e que uma cópia desse santuário se edificou uma vez nesta terra. Deus deseja que seu povo se familiarize com esta cópia, tendo sempre presente o santuário celestial, onde Deus é todo e está em todo (Carta 233, 1904).

Jesus é nosso Advogado, nosso Sumo Sacerdote, nosso Intercessor. Nossa situação é similar à dos israelitas no dia da expiação. Quando o Sumo Sacerdote entrava no lugar santíssimo, representação do lugar onde nosso Sumo Sacerdote está intercedendo agora, e aspergia o sangue expiatório sobre o propiciatório, afora não se ofereciam sacrifícios expiatórios:

Enquanto o sacerdote intercedia ante Deus, todo coração 480 devia inclinar-se contrito, para suplicar o perdão da transgressão (The Signs of the Times, 28 de junho de 1899).

  1. A segunda fase do sacerdócio implica o juízo

Cumpriu uma fase de seu sacerdócio ao morrer na cruz pela raça caída. Agora está cumprindo outra fase ao defender adiante do Pai o caso do pecador arrependido e crente, e ao apresentar ante Deus as oferendas de seu povo. Por ter tomado natureza humana e por ter vencido nessa natureza as tentações do inimigo, e considerando que tem perfeição divina, se lhe encarregou o juízo do mundo. O caso de cada qual lhe será apresentado para que o revise. O pronunciará a sentença, e lhe dará a cada homem o que corresponda a suas obras (Manuscrito 42, 1901).

  1. Perpétua intercessão

O incenso, que ascendia com as orações de Israel, representava os méritos e a intercessão de Cristo, sua perfeita justiça, a qual por meio da fé é credenciada a seu povo, e é o único que pode fazer o culto dos seres humanos aceitável a Deus. Adiante do véu do lugar santíssimo, tinha um altar de intercessão perpétua; e adiante do lugar santo, um altar de expiação contínua. Tinha que se acercar a Deus mediante o sangue e o incenso, pois estas coisas simbolizavam ao grande Mediador, por meio de quem os pecadores podem acercar-se a Jeová, e por cuja intervenção tão só pode outorgar-se misericórdia e salvação ao alma arrependida e crente (Patriarcas e profetas, p. 366).

Mediante o serviço do sacerdócio judeu se nos recorda continuamente o sacrifício e a intercessão de Cristo. Todos os que vão a Cristo hoje devem recordar que seus méritos são o incenso que se mistura com as orações dos que se arrependem de seus pecados, e recebem perdão e misericórdia e graça. Nossa necessidade da intercessão de Cristo é constante (Manuscrito 14, 1901).

  1. Cristo é ao mesmo tempo Mediador e Juiz

Cristo está ao tanto, por experiência pessoal, do conflito que desde a queda de Adão tem estado em permanente atividade. Quão apropriado é, então, que ele seja o Juiz. A Jesus, o Filho do homem, se lhe encarregou todo o atinente ao juízo. Há um só Mediador entre Deus e o homem. Só por meio dele podemos entrar no reino dos céus. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Suas sentenças são inapeláveis. Ele é a Rocha da eternidade, uma rocha fendida a propósito para que toda alma provada e tentada possa encontrar um lugar seguro onde esconder-se (The Review and Herald, 12 de março de 1901).

“O Pai a ninguém julga, senão que todo o juízo deu ao Filho”. “Também lhe deu autoridade de executar juízo, porque é o Filho do homem”. Em sua adicionada humanidade encontramos a razão da nomeação de Cristo. Deus lhe encarregou ao Filho todo o atinente ao juízo, porque sem dúvida alguma ele é Deus manifestado em carne.

Deus decidiu que o Príncipe dos sofredores na humanidade fora o Juiz de todo mundo. O que desceu dos átrios celestiais para salvar ao homem da morte eterna; o desprezado e recusado pelos homens, sobre quem empilharam todo o desprezo de que são capazes os seres humanos inspirados por Satanás; o que se submeteu a comparecer adiante de um tribunal da terra, e que sofreu a ignominiosa morte de cruz, só ele pronunciará a sentença de recompensa castigo. O que se submeteu aqui ao sofrimento e a humilhação da cruz, terá plena compensação no conselho de Deus, e ascenderá ao trono reconhecido por todo o universo celestial como Rei dos santos. O empreendeu a obra da salvação, e manifestou ante os mundos não caídos e a família celestial que também é capaz de terminar a tarefa que começou.

É Cristo quem dá aos homens a graça do arrependimento; o Pai aceita seus méritos em benefício de toda alma que se decida a fazer parte da família de Deus.

Nesse dia do castigo e a recompensa finais, tanto os santos como os pecadores reconhecerão no que foi crucificado, ao Juiz de todos os viventes (The Review and Herald, 22 de novembro de 1898).

VII. Maravilhosos resultados da mediação sacerdotal de Cristo

A intercessão de Cristo é uma corrente de ouro firmemente unida ao trono de Deus. Converteu em oração o mérito de seu sacrifício. Jesus ora, e atinge o sucesso por meio da oração (Manuscrito 8, 1892).

Como Mediador nosso, Cristo faz incessantemente. Já seja que os homens o aceitem ou o recusem, faz ferventemente em favor deles. Concede-lhes vida e luz, e luta para que seu Espírito os afaste do serviço de Satanás. E enquanto o Salvador obra, Satanás também o faz com todo engano e injustiça, e com energia inquebrantável (The Review and Herald, 12 de março de 1901).

El Salvador devia ser Mediador para permanecer entre o Altíssimo e seu povo. Por meio desta provisão se abriu um caminho para que o pecador culpado achasse acesso a Deus através da mediação de alguém. O pecador não podia ir por si mesmo, carregando sua culpa e sem mais méritos do que os próprios. Só Cristo podia abrir o caminho ao apresentar uma 482 oferenda equivalente às demandas da lei divina. Era perfeito e incontaminado pelo pecado. Era sem mancha nem ruga (Ibíd., 17 de dezembro de 1872).

Cristo é o Ministro do verdadeiro tabernáculo, o Sumo Sacerdote de todos os que crêem que ele é seu Salvador pessoal; e ninguém mais pode ocupar o posto. O é o Sumo Sacerdote da igreja, e tem uma obra que fazer que ninguém mais pode levar a cabo. Por sua graça é capaz de guarda a todo homem da transgressão (The Signs of the Times, 14 de fevereiro de 1900).

A fé na expiação e a intercessão de Cristo nos manterá firmes no meio das tentações que abundam na igreja militante (The Review and Herald, 9 de junho de 1896).

O grande plano da redenção, como está revelado na obra final destes últimos dias, deve receber estrito exame. As cenas relacionadas com o santuário celestial devem fazer tal impressão na mente e o coração de todos, que possam impressionar a outros. Todos precisam chegar a ser mais inteligente respeito da obra da expiação que se está realizando no santuário celestial. Quando se veja e compreenda essa grande verdade, os que a sustentam trabalharão em harmonia com Cristo para preparar um povo que subsista no grande dia de Deus, e seus esforços terão sucesso (Jóias dos Depoimentos, t. 2, pp. 219, 220).

Agora se está levando a cabo no santuário celestial a obra de intercessão sacerdotal de Cristo em nosso favor. Mas quão poucos se dão realmente conta de que nosso grande Sumo Sacerdote apresenta seu próprio sangue adiante do Pai, reclamando como recompensa de seu sacrifício todas as graças que implica seu pacto para o pecador que o aceita como seu Salvador pessoal. Este sacrifício o faz eminentemente capaz de salvar até o sumo a todos os que vão a Deus por meio dele, já que vive para interceder por eles (Manuscrito 92, 1899).

Cristo como Sumo Sacerdote por trás do véu imortaliza de tal maneira o Calvário, que ainda que vive para Deus, morre constantemente ao pecado e deste modo, se alguém peca, tem um Advogado ante o Pai. Saiu da tumba rodeado por uma nuvem de anjos, revestido de um poder e uma glória maravilhosos: os da Divindade e a humanidade combinadas. Tomou em suas mãos o mundo sobre o qual Satanás pretendia presidir, como se fosse seu legítimo território, e mediante a obra maravilhosa de dar sua vida, restabeleceu ao favor de Deus toda a raça dos homens. Os hinos de triunfo se estenderam em ecos por todos os mundos. O anjo e o Arcanjo, o querubim e o serafim entoaram um hino de triunfo ante esse assombroso acontecimento (Manuscrito 50, 1900).

Este é o grande dia da expiação, e nosso Advogado está de pé ante o Pai, 483 suplicando como nosso intercessor. Em vez de ataviar-nos com as vestimentas de justiça própria, deveríamos ser achados em cada dia humilhando-nos adiante de Deus, confessando nossos pecados individuais, procurando o perdão de nossas transgressões e cooperando com Cristo na obra de preparar nossas almas para que reflitam a imagem divina (Comentário bíblico adventista, t. 7, p. 945).

Como nosso Mediador, Jesus era plenamente capaz de levar a cabo sua obra de redenção; mas, ¡oh, a que preço! O imaculado Filho de Deus foi condenado pelos pecados nos que não tinha tomado parte, para que o pecador, por meio do arrependimento e a fé, pudesse ser justificado pela justiça de Cristo, na qual não tinha mérito pessoal. Depositaram-se sobre Cristo os pecados de todos os que viveram na terra, para dar testemunho do fato de que ninguém precisa perder no conflito com Satanás. Fez-se provisão para que todos possam jogar mão da força do que pode salvar até o sumo aos que vão a Deus por meio dele.

Cristo recebe sobre si a culpa da transgressão do homem, enquanto ele deposita sobre todos os que o aceitam por fé, os que voltam a ser leais a Deus, sua própria justiça imaculada (The Review and Herald, 23 de maio de 1899).

Sustenta ante o Pai o incensário de seus próprios méritos no qual não há mancha de contaminação terreal. Ele junta no incensário as orações, o louvor e as confissões de seu povo, e com elas põe sua própria justiça imaculada. Então ascende o incenso diante Deus completa e inteiramente aceitável, perfumando com os méritos da propiciarão de Cristo. Então se recebem bondosas respostas…. A fragrância dessa justiça ascende como uma nuvem ao redor do propiciatório (Comentário bíblico adventista, t. 61 pp. 1077, 1078).

VIII. Cristo é nosso Amigo ante o tribunal

Nosso grande Sumo Sacerdote está alegando frente ao propiciatório em favor de seu povo isentado… Satanás está a nossa destra para acusar-nos, e nosso Advogado está à destra de Deus para alegar em favor de nós. Nunca perdeu um caso que se lhe tenha submetido. Podemos confiar em nosso Advogado; porque apresenta seus próprios méritos em nosso favor (The Review and Herald, 15 de agosto de 1893).

Cristo não se glorificou a si mesmo ao converter-se em Sumo Sacerdote. Deus o designou sacerdote. Devia ser um exemplo para toda a família humana. Qualificou-se para ser, não só o representante da espécie, senão seu Advogado, de modo que toda alma possa dizer, se assim o deseja, tenho um Amigo no tribunal. É um Sumo Sacerdote sensível a nossas debilidades (Manuscrito 101, 1897) 484.

Jesus está oficiando na presença de Deus, oferecendo seu sangue derramado, como se tivesse sido um cordeiro [literal] sacrificado. Jesus apresenta a oblação oferecida por cada culpa e por cada falta do pecador . .

Cristo, nosso Mediador, e o Espírito Santo, constantemente estão intercedendo em favor do homem; mas o Espírito não roga por nós como o faz Cristo, quem apresenta seu sangue derramado desde a fundação do mundo; o Espírito atua sobre nossos corações extraindo orações e arrependimento, louvor e agradecimento (Comentário bíblico adventista, t. 6, p. 1077).

Quando Cristo ascendeu ao céu, fez como nosso Advogado. Sempre temos um Amigo no tribunal. E desde o alto Cristo envia seu representante a toda nação, tribo, língua e povo. O Espírito Santo lhe dá a unção divina a todos os que recebem a Cristo (The Christian Educador [O educador cristão], agosto de 1897, p. 22).

O pagou o resgate para todo mundo. Todos se podem salvar por meio dele. Apresentará ante Deus aos que acreditam em ele como se fossem leais súbditos de seu reino. Será seu Mediador bem como é seu Redentor (Manuscrito 41, 1896).

Quando Cristo morreu na cruz do Calvário, abriu-se um caminho novo e vivente tanto para os judeus como para os gentis. De ali em adiante o Salvador oficiaria como sacerdote e advogado no céu dos céus. De ali em adiante perdeu seu valor o sangue dos animais oferecidos, porque o Cordeiro de Deus tinha morrido pelos pecados do mundo (Manuscrito sem data 127).

O braço que levantou à família humana da ruína a que Satanás arrastou à espécie com suas tentações, é o mesmo que preservou do pecado aos habitantes de outros mundos. Cada mundo da imensidão é objeto do cuidado e sustento do Pai e o Filho; e este cuidado é exercido constantemente em favor da humanidade caída. Cristo intercede em favor do homem, e essa mesma obra mediadora conserva também o ordem dos mundos invisíveis. Não são estes temas de magnitude e importância suficientes como para ocupar nossos pensamentos e provocar nossa gratidão e adoração a Deus? (Mensagens para os jovens, p. 252).

  1. Fez-se homem para chegar a ser Mediador

Jesus se fez homem para poder mediar entre o homem e Deus. Revestiu sua divindade de humanidade, associou-se à espécie humana, para que mediante seu longo braço humano pudesse aferrasse do trono da Divindade. E todo isso, para poder restaurar no homem a atitude original que perdeu em Éden obrigado às atraentes tentações de Satanás; para que o homem pudesse compreender que obedecer os requerimentos de Deus é para seu bem presente e eterno. A desobediência não está de acordo com a natureza que Deus lhe deu ao homem no Éden (Carta 121, 1897).

A plenitude de sua humanidade, a perfeição de sua divindade constitui um fundamento sólido sobre o qual podemos chegar a reconciliarmos com Deus. Quando ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós. Temos redenção por seu sangue: o perdão dos pecados. Suas mãos atravessadas pelos pregos se estendem para o céu e a terra. Com uma se aferra dos pecadores da terra, e com a outra do trono do Infinito, e assim consegue a reconciliação em favor de nós. Cristo se encontra de pé agora como nosso Advogado adiante do Pai. É o único Mediador entre Deus e o homem. Já que leva as marcas da crucificação, defende as causas de nossas almas (Carta 35, 1894).

  1. O Advogado celestial reterá para sempre a natureza humana

Cristo ascendeu aos céus com uma humanidade santificada. Introduziu consigo à humanidade nos átrios celestiais, e pelas idades eternas a assumirá, como Aquele que isentou a cada ser humano da cidade de Deus (The Review and Herald, 9 de março de 1905).

Por sua própria vontade, [o Pai] pôs em seu altar um Advogado revestido de nossa natureza. Como intercessor nosso, sua obra consiste em apresentar-nos a Deus como seus filhos e filhas. Cristo intercede em favor dos que lhe receberam. Em virtude de seus próprios méritos, dá-lhes poder para chegar a ser membros da família real, filhos do Rei celestial (Jóias dos depoimentos, t. 3, p. 29).

Temos o privilégio de contemplar a Jesus pela fé, e vê-lo de pé entre a humanidade e o trono eterno. É nosso Advogado, que apresenta nossas orações e oferendas como sacrifícios espirituais a Deus. Jesus é a grande e imaculada propiciação, e por seus méritos Deus e o homem podem estar em comunhão. Cristo introduziu sua humanidade na eternidade. Está de pé adiante de Deus como o representante de nossa espécie (The Youth”s Instrutor, 28 de outubro de 1897).

Só Jesus podia dar-lhe segurança a Deus; porque era igual a ele. Só ele podia mediar entre Deus e o homem; porque possuía divindade e humanidade. Desta maneira Jesus podia dar-lhe segurança a ambas partes quanto ao cumprimento das condições prescritas. Como Filho de Deus lhe dá segurança a Deus com respeito a nós, e como a Palavra eterna, como 486 Alguém igual ao Pai, dá-nos segurança a respeito do amor de Deus por nós, os que acreditamos em a palavra que ele empenhou. Quando Deus quis dar-nos segurança a respeito de seu imutável conselho de paz, deu a seu Filho unigênito a fim de que chegasse a fazer parte da família humana, para que conservasse sua natureza humana, como uma prova de que Deus cumpriria sua palavra (The Review and Herald, 3 de abril de 1894).

A reconciliação do homem com Deus só podia ser realizada mediante um mediador que fora igual a Deus, que possuísse os atributos que o significassem e o declarassem digno de tratar com o Deus infinito em favor do homem, e também de representar a Deus ante um mundo caído. O substituto e garantia do homem devia ter a natureza do homem, um entronque com a família humana a quem devia representar e, como embaixador de Deus, devia participar da natureza divina, devia ter uma união com o Infinito a fim de manifestar a Deus ante o mundo e ser um mediador entre Deus e o homem (The Review and Herald, 22 de dezembro de 1891).

Facebook Comments

sobre santuario Celestial

Além disso, verifique

Expiação – Uma Santa Convocação Para Você

Todo o ritual do santuário se baseava numa promessa: a vinda do Messias. Se o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Portal Santuário Celestial

Seja Bem-Vindos (as) ao Portal Santuário Celestial. Conheça todos os Conteúdos Necessários Sobre o Santuário de Deus.

× Atendimento Online!